Rayllan Leal e sua reverência a Coxinho

O eterno Coxinho 

Para nós, maranhenses nascidos e criados na Baixada, o mês de junho tem uma magia lisonjeira. O ecoar das toadas e matracas resplandece o recôndito mais profundo da nossa alma.

E, especialmente para nós, natural de Vitória do Mearim, há um quê de orgulho e vaidade junina maior. 

Temos a honra e a glória de Bartolomeu dos Santos ser fruto de nossa terra. Talvez por esse nome poucos ou quase ninguém sabe de quem está se falando. 

Mas, ao dizer que esse dito cujo Bartolomeu dos Santos é o maior cantador de boi de todos os tempos, e que seu nome de guerra é Coxinho, todos sabem de quem está se falando. E como sabemos!!!

Coxinho nasceu no dia 24 de agosto de 1910, em Lapela, na época dustrito de Vitória do Mearim. [Após a emancipação política corrida em 1997, hoje Lapela pertence ao município de Lago Açu].

Reprodução

A sua toada mais famosa, o Urrou do Boi, que eternizou toda a sua obra, é considerado Hino Cultural e Folclórico do Maranhão, reconhecida na Lei 5299/1991, sancionada pelo então governador Edson Lobão, que torna obrigatória a execução desse hino na abertura e fechamento de eventos culturais juninos no Maranhão. 

A vida folclórica de Coxinho fora exclusivamente dedicada ao Boi de Pindaré, onde se destacou como amo e principal personagem do boi, para daí se tornar a figura mais emblemática da história bumba-boi do Maranhão.

A esse mestre das toadas, nossa eterna gratidão!

Urrou, urrou, urrou, urrou…

Rayllan Leal

 

Ler anterior

Brasil vai testar vacina contra covid-19 desenvolvida no Reino Unido

Leia o próximo

Cantora Fabiana Anastácio morre após luta contra Covid

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *